Remédio Leuginase : Leucemia Linfóide Aguda em Crianças

Remédio Leuginase foi enviado para testes de eficácia

O remédio chinês Leuginase, usado no tratamento de leucemia linfóide aguda em crainças, foi enviado para testes do princípio ativo e a concentração do insumo no Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS). O teste foi pedido depois que o Fantástico apresentou uma reportagem com a polêmica entre profissionais da saúde quanto à segurança e eficácia do medicamento.

O medicamento que tem como base a L-asparaginase que é uma enzima que destrói a asparagina. As células sadias do organismo conseguem produzir asparagina por meio de substâncias simples, no entanto, as células cancerígenas dependem de asparaginase vindas de outras fontes.

O medicamento não é produzido no Brasil e desde o ano de 2010, vem enfrentando problemas com a falta do medicamento. Em 2017 o Ministério da Saúde passou a importar o remédio Leuginase de um laboratório da China representado pela empresa uruguaia Xetley S.A.

O que colaborou mais para a polêmica foi causada porque para a importação de um medicamento, é necessário o Registro de Fabricação do medicamento e a Licença Sanitária do laboratório que o produz. E na documentação tanto o endereço da sede da empresa na cidade de Montevidéu no Uruguai, quanto o endereço da representante no Brasil, em Barueri, não foi encontrado nada que apresentasse qualquer ligação com uma empresa farmacêutica, apenas um escritório de contabilidade em ambos os endereços. Outro documento apresentado pelo laboratório apresentava informações de toxicidade preocupantes, mostrando um estudo que apresentou 8 casos fatais em um total de 105 usuários.

O Ministério da Saúde comprou 30660 frascos do medicamento e o primeiro lote já foi repassado a hospitais de Belém e São Paulo.

A Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica pediu ao Ministério da Saúde que suspendesse o uso da LeugiNase até que fossem realizados os testes de verificação quanto a eficiência e segurança, no entanto, não obtiveram nenhuma resposta.


Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *